✠ A única forma de se livrar de seus medos é fazer filmes sobre eles ✠

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

A TRILHA SONORA DO PROJETO

FINALMENTE FORAM CONFIRMADAS AS BANDAS QUE IRÃO FAZER A TRILHA SONORA DO CURTA "DAMBALLAH NEGRA". ABAIXO SEGUE UM PEQUENO RELEASE DE CADA BANDA QUE PARTICIPARÁ DA TRILHA.


POSTHUMAN TANTRA

O Posthuman Tantra é o reflexo direto do universo criado por Edgar Franco chamado Aurora Pós-humana. A partir de uma experiência anterior com música e do encontro com as sonoridades eletrônicas Edgar decidiu criar um projeto musical-multimídia que gerasse as ambiências sonoras para sua ficção e que corroborasse sua visão prospectiva sobre esse futuro pós-humano em sua concepção lírica, além de incluir sua visões sobre expansão da consciência e transcendência e suas conexões com o momento tecnognóstico contemporâneo. O universo da “Aurora Pós-humana” apresenta o planeta Terra em um futuro onde a transferência da consciência humana para chips de computador será algo possível e cotidiano, no qual milhares de pessoas abandonarão seus corpos orgânicos por novas interfaces robóticas. Neste futuro hipotético a bioengenharia avançançou tanto que permite a hibridização genética entre humanos e animais, gerando infinitas possibilidades de mixagem antropomórfica, seres que em suas características físicas remetem-nos imediatamente às quimeras mitológicas. Como consequência estas duas "espécies" pós-humanas tornaram-se culturas antagônicas e hegemônicas disputando o poder em cidades estado ao redor do globo enquanto uma pequena parcela da população, uma casta oprimida e em vias de extinção, insiste em preservar as características humanas, resistindo às mudanças. Dessas três raças que convivem nesse planeta terra futuro, duas são o que podemos chamar de pós-humanas, sendo elas os "Extropianos" (seres abiológicos, resultado do upload da consciência para chips de computador) e os "Tecnogenéticos" (seres híbridos de humano e animal, frutos do avanço da biotecnologia e nanoengenharia), tanto Extropianos, quanto Tecnogenéticos contam com o auxílio respectivamente de "Golens de Silício" – robôs com inteligência artificial avançada (alguns reivindicam a igualdade perante as outras raças) e "Golens Orgânicos" – robôs biológicos, serventes dos Tecnogenéticos. A última raça presente nesse contexto é a dos "Resistentes", seres humanos no "sentido tradicional", raça em extinção correspondendo a menos de 5% da população do planeta. Este universo tem sido aos poucos detalhado com dezenas de parâmetros e características, trata-se de um work in progress que toma como base todas as prospecções da ciência e das artes de ponta para reestruturar seus parâmetros. A partir dele já foram desenvolvidos uma série de trabalhos artísticos, em diversas mídias e suportes e atualmente outras obras estão em andamento.Já foram criados para as hipermídias: o site “Neomaso Prometeu” (Menção honrosa no 13º Festival Videobrasil), o trabalho em CD-ROM “Ariadne e o Labirinto Pós-humano” (participante da mostra SESC SP de artes – 2005), o site de vida artificial “O Mito Ômega” (ainda em desenvolvimento) e ainda a faixa multimídia “Game-o-tech 2.0” – que integra o CD “Neocortex Plug-in”. Nos quadrinhos desenvolvo a trilogia BioCyberDrama (parceria com o lendário quadrinhista Mozart Couto), com o primeiro álbum lançado pela editora Opera Graphica (que recebeu o prêmio Ângelo Agostini de melhor desenho de 2003) e também a revista em quadrinhos “Artlectos e Pós-humanos” que já teve 2 números publicados. Entre outros trabalhos.

A base bibliográfica utilizada por Edgar Franco para escrever as sagas para o Posthuman Tantra envolve o estudo das obras e artigos de artistas como Stelarc, Roy Ascott, Natasha Vita-more, Eduardo Kac, Mark Pauline, Orlan, H.R.Giger, Diana Domingues; de filósofos como Max More, Ray Kurzweil, Laymert Garcia, Hans Moravec, Vernon Vinge, Lovelock, Teilhard de Chardin, Maturana e Varella, Stanislav Grof, Dee, Crowley, entre muitos outros.

Site oficial do Posthuman Tantra: http://www.posthumantantra.legatusrecords.net/
Posthuman Tantra no Myspace: www.myspace.com/posthumantantras
Posthuman Tantra no Opus Nocturne: http://www.opusnocturne.com/bandas_posthumantantra.shtml
Comunidade Orkut do Posthuman Tantra: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=32945678
Fotolog de Edgar Franco: www.fotolog.net/edgar_franco

NAHTAIVEL

Fernando Nahtaivel já é um nome relativamente conhecido no cenário underground da região sul do Brasil, tendo em seu respeitável currículo a participação como tecladista em discos de diversas bandas de Black, Death e Doom Metal, merecendo destaque aí os excelentes Insane Devotion e Doomsday Ceremony.
Mas, além de todas estas atividades, desde 1999 o tecladista vem levando adiante seu próprio projeto chamado Nahtaivel, que foge do Heavy Metal propriamente dito. A linha adotada aqui é o Dark-Electro, Industrial e EBM (Electronic Body Music: gênero musical resultante da fusão do electropunk dos anos 80 com a música industrial) e, como não poderia deixar de ser, devido a seu passado, Fernando consegue transmitir todo um clima de profanação com as mais variadas camadas sonoras, um verdadeiro caos para as funções cerebrais do ouvinte.
“Killer Speaks” é seu terceiro registro, mas o primeiro que tem a oportunidade de chegar a CD – os anteriores são discos virtuais. Tudo é high tech, com um design obscuro e agressivo, o que fica ainda mais reforçado pelas vocalizações extremamente distorcidas e, em várias ocasiões, fora das melodias. Aliás, se o leitor atentar para a capa do álbum, terá uma noção da agressividade e obscuridade que sua música consegue transmitir, e sem perder a proximidade com as pistas de dança.

Como a maioria dos álbuns com sonoridades alternativas, Nahtaivel e seu “Killer Speaks” provavelmente se limitarão ao underground mesmo – o que, convenhamos, está longe de ser algo negativo. De qualquer forma, merece uma conferida não só por parte dos fanáticos pelo estilo mais eletrônico da música, mas também por aqueles que sempre visam algo realmente hostil e pesado. E estas características não faltam por aqui!

http://www.nahtaivel.com/

http://www.myspace.com/


Bleeding
MOLOCH

Wagner Molock é um workaholic irrecuperável. Além de produzir com freqüência suas obras que mais parecem provindas dos pesadelos de H. P. Lovecraft ainda arranja tempo para produzir projetos musicais potentes como o Naberus, por exemplo. Psylocibe Cubensis é um destes “partos”, uma tentativa de condensar em alguns minutos as etapas de suas experiências psicodélicas, exteriorizando seu paladar apurado para instrumentos vintage, sons ecoantes, atmosfera atormentadora, memórias. É uma experiência cultural (ou contracultural?) e não apológica, não recomendável e muito menos encorajadora.


SEGUE UM RESUMO DAS FAIXAS:


Assimilação Cerebral: É quando começa a sentir as primeiras reações do algo novo, diferente, sempre como a primeira vez, questionamentos vem a mente, os sons se deformam , a excitação já é maior que o medo ( que ainda não partiu totalmente) pois o "mundo" observado é novo, as sensações, alto nível criativo, esse universo pouco explorado, o interior de sua mente... entrando pelas portas da percepcão?

Penetração Mental: Já totalmente entregue aos mais variados sentidos e reações, navegando à deriva internamente, uma experiência extremamente íntima, vc se ouve, se manifesta nas mais variadas formas, sente a sonoridade vibrar em sua pele, quase explode em êxtase, a maior aproximação que pode ter de você mesmo.
Poliantéia Sonora:Você ouve/lembra-se de tudo que aprecia, acaba por fundir os sons, mesmo recorrendo a outros. A excitação continua imperiosa em você, experiência singular, da qual não quer sair nunca...seu porto mais seguro.

Ataraxia: A excitação se foi, você está em plenitude interior, reflexivo, impassível, orbitando uma galáxia ou apenas confortávelmente insensibilizado.

Mergulho no Hiperespaço: Você pode romper essa sensação repentinamente e penetrar em um mundo nunca antes observado (não que os outros já tenham sido vistos), ao menos em alguma parte de sua vida sentido, mas nunca observado, começa a absorver e ter noção de que possui as respostas para tudo, mas apenas poderá trazer uma ínfima parcela da experiência, que no caso se bem assimilada já será de grande valia.

Trasmissão: Irá misturar a realidade com a ficção, não saberá até que ponto estará em uma situação real (mais intensamente que antes), momento perigoso que requer muito controle emocional e experiência particular, saber ter os pés no chão na hora certa. Transmissão alienígena?

Devaneio: O medo pode voltar, das mais variadas formas.

Intensidade: Seu corpo já cansado por toda essa aventura da mente ( que requer muito do organismo em geral), mas mesmo assim a intensidade inicial pode retornar, não sendo exatamente uma regra, mas ao invés da experiência ser concluída desfragmentando-se, muitas vezes ela pode ser concluída de forma intensa, o que exigirá muito de seu auto controle.
Atreva-se a conhecer mais este pesadelo musical de Wagner Moloch clicando aqui:


Bleeding

BRUTAL MORTICÍNIO

Nascido na terra fria no sul do Brasil, a banda Brutal Morticínio começou a sua existência em 2006. A escolha do nome foi baseado sobre as mortes causadas pelos invasores cristãos na América do tempo histórico conhecido como "Descobrimentos - Great Navegação", e sua imposição de crença e de cultura. Propondo um estilo de black metal brutal, na linha "old school" à semelhança da antiga banda, Hellhamer e Darkthrone. Anti-cristianismo, desespero e morte são temas recorrentes dos gritos dissonantes sobre riffes e bases; um lote de agressão, tornando ECOAR uma atmosfera soturna carregadas de ódio.

A banda passou por algumas mudanças na sua formação, o ex-baterista Lucifergo permaneceu por um ano. Houve também um segundo guitarrista, Satanás, que fazia parte da banda de 7 meses, permanecendo a partir do início Tormento e Mielikki, membros fundadores. Atualmente, a banda estabeleceu-se com Tormento (guitarra / vocal), Mielikki (Bass) e Mefistófeles (bateria).
A horda Brutal Morticínio está participando no tributo ao Amen Corner, ainda sem data confirmada para lançamento.


Myspace:
www.myspace.com/brutalmortis
Comunidade: http://www.orkut.com.br/Community.aspx?cmm=

Bleeding

HATEMBRACE

Ao colocar essa Demo no aparelho de som já me espanto com seu tempo de duração: pouco mais de quarenta minutos e apenas sete músicas! Então coloco a Demo pra rolar e sou brutalmente atacada por um Death Metal poderoso, com vocais cavernosos, mas com uma parte instrumental maravilhosa, seguindo uma temática egípcia. Nada que o Nile já não tenha feito, porém esses pernambucanos do Hatembrace mostram desenvoltura e um som, de certo modo, peculiar, onde carregam ainda mais nessas melodias, mais até mesmo que o próprio Nile. Logo na primeira música, “Gods Ari Kat Gods”, a banda mostra a que veio, com belos riffs e solos de guitarras, uma bateria técnica, mesclando brutalidade, partes cadenciadas e ‘blast beats’ ultra-velozes. Nada de velocidade e extremismo o tempo todo, e sim muito bom gosto na execução das músicas, numa sonoridade bem feita, técnica, cheia de melodias, propícias para se bater cabeça, e isso em músicas longas, mas que não cansam o ouvinte. Talvez a experiência de músicos tarimbados no Underground Pernambucano tenha feito a diferença no lançamento. O guitarrista Dimitrius e o baterista Ricardo Necrogod já fizeram parte da veterana Malkuth; o outro guitarrista, Miro Nomura, faz parte do Necroholocaust; baixista Ely tocou no Goryhate; e o vocalista Freddy Houde já fez parte do Infested Blood nos seus primórdios. Além disso, os vocais foram divididos entre Freddy, Dimitrius e Necrogod, o que deu uma maior versatilidade nas vocalizações, onde, além dos vocais tipicamente Death, podemos ouvir passagens que são cantadas mesmo. A gravação está muito boa e não dá para destacar uma ou outra música, pois todas são bem versáteis, basta ouvir “Sekhmet” e “The Throne of Seth”, e a maravilhosa “High of Victory”, para se tirar qualquer dúvida. Pena mesmo foi só a apresentação gráfica, que não ficou no mesmo nível, mas segundo informações que consegui, essa Demo vai ser relançada até o final do ano, então é de se esperar que a arte gráfica também tenha o mesmo cuidado da parte sonora.

Contatos:
A/C Ricardo Necrogod. Avenida dos Girassóis, 240 – Centro. Camaragibe/PE. CEP: 54759-050

E-mail: necrogod_metal@hotmail.com

Site: www.myspace.com/bandahatembrace

2 comentários:

Edgar Franco disse...

Só bandas de qualidade!
O Posthuman Tantra sente-se honrado em fazer parte desse cast!

Abraço pós-humano,

Edgar Franco

Soturna Noite disse...

Concordamos com o Edgar será uma honra fazer parte deste projeto, com estas ótimas bandas...Agradeço e desejo força a todos em nome da Brutal Morticínio

Mielikki

Postar um comentário

© Fraternidade do Medo - Template by Blogger Sablonlari